Imagem da Internet

Seminário destaca credibilidade do jornal

CURITIBA – “O Momento do Jornal e o Seu Futuro” foi tema de um seminário promovido pela ADI-PR (Associação dos Jornais Diários do Interior do Paraná), em Curitiba, na semana passada. O evento reuniu cerca de 140 pessoas, entre proprietários, executivos e jornalistas de 20 impressos do interior do Estado. Três conferencistas com experiência na área tecnológica analisaram o cenário. 
Antes das palestras, foi realizado um debate sobre o momento do Paraná com o presidente da Faep (Federação da Agricultura do Estado do Paraná), Ágide Meneguette; o superintendente da Fecomércio, Ernani Buchmann, com mediação do presidente da ADI-PR, Nery José Thomé, que observou a preocupação dos veículos em melhorar a integração entre o impresso e o digital. 
Thomé lembrou que os jornais filiados à ADI estão em todas as regiões do Paraná, colocam nas ruas 188 mil exemplares diariamente de terça a sábado e têm a grande vantagem de publicar notícias da região a que pertencem. E alertou que a tradição e o costume da leitura em papel é um valor que não pode ser desprezado. Jedaias Pereira Belga, presidente da associação dos jornais do interior do Brasil, que congrega 140 jornais em 11 Estados, ressaltou que a circulação está aumentando e que hoje 3 milhões de pessoas leem diariamente os jornais. 
O português radicado no Brasil Luis Rasquilha foi um dos palestrantes e falou sobre “as megatendências e os drivers de mudança”. “O futuro não é ruim”, disparou. “Mas precisamos dar passos para não desaparecer.” Ele comentou que o Brasil é o segundo país mais conectado do mundo, defendeu que os veículos devem se preocupar com a qualidade do conteúdo e com a interação com o leitor. Fred Pacheco, consultor digital do grupo Itaú-Unibanco, também defendeu que o conteúdo de qualidade é um diferencial forte dos jornais. 
“O jornal impresso tem credibilidade, foi comprovado em pesquisa recente”, defendeu. Andre Richter Caron, que tem grande experiência na implementação de ativos em grandes portais nacionais opinou que é a qualidade das reportagens que vai fazer o impresso e o digital serem mais consumidos.

Fonte: Diário do Noroeste

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Itens necessarios estão marcados *

*