(Imagem reprodução)

Número de casos confirmados de febre amarela aumentou de 8 para 12 no Paraná

Um novo boletim epidemiológico foi  divulgado nesta quinta-feira (21) pela Secretaria de Estado da Saúde e mostra que o número de casos de febre amarela subiu no Paraná. Oito casos tinham sido confirmados na semana passada e após a atualização, o número subiu para 12. Os dados levados em conta correspondem ao período de 1º de julho de 2018 a 20 de março de 2019.

Os 12 casos confirmados da doença estão em Antonina, Morretes, Adrianópolis, Campina Grande do Sul, Curitiba, Piraquara e São José dos Pinhais. Dos pacientes, (91,6%) são do sexo masculino, com idade média de 36 anos, três deles são trabalhadores rurais. Há um óbito confirmado no Paraná por febre amarela, em 6 de março, tendo com residência e local provável de infecção o município de Morretes.

Os municípios com maior incidência de notificações são Paranaguá (55), Curitiba (33) e São José dos Pinhais (30).  Curitiba apresentou oito notificações a mais que o boletim da semana anterior e São José dos Pinhais novas sete.

No total, são 224 notificações e 61 casos em investigação, além das 12 confirmações.


Por conta desses números as 22 regionais de saúde do Paraná receberam orientações para intensificar a vacinação. O objetivo é imunizar todas as pessoas com idade entre 9 meses a 59 anos de idade. No período de 1º de janeiro a 19 de março de 2019 foram aplicadas em todo o Paraná cerca de 445 mil doses da vacina contra a febre amarela na população de 9 meses a 59 anos.

Funcionários da Secretaria da Saúde seguem fazendo a busca de pessoas que ainda não foram imunizadas e moram em áreas de difícil acesso, além de reforçar as orientações sobre a importância da vacinação em eventos comunitários.

Outra frente de atuação contra o avanço da febre amarela se dá pela intensificação das ações da vigilância das epizootias, ou seja, o controle da doença e morte em macacos. A Secretaria de Saúde tem orientado a população sobre as formas de contágio e reforça que os macacos não transmitem a doença. Os animais servem de alerta para a circulação do vírus, já que nas regiões onde eles aparecem infectados o mosquito transmissor está presente.

O boletim desta semana mostra quatro epizootias confirmadas e 12 em investigação. Duas novas áreas registraram ocorrências: Paranaguá e São José dos Pinhais. Os municípios de Antonina e Morretes já tinham apresentado a doença em macacos.

Fonte: Banda B

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Itens necessarios estão marcados *

*