Presidente quer firmar termo de cooperação técnica entre Tecpar e a Sociedade Civil. Diretor fala em Vale Tecnológico do Arenito.

Notícia boa – Paranavaí é candidata a ser polo de indústrias farmacêuticas

O presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). Jorge Callado, propôs firmar um termo de cooperação técnica com a Sociedade Civil Organizada de Paranavaí (Socipar) para que a instituição possa estar mais presente na região e ajudar a desenvolver tecnologias que venham ao encontro das demandas locais e regionais.

A proposta foi feita na manhã desta segunda-feira, dia 26, a coordenadores e membros da Socipar, a quem recebeu em audiência em seu gabinete em Curitiba e foi uma resposta a reivindicação de desenvolvimento de tecnologias aplicadas à região.

Na ocasião, Callado também falou sobre a pedido feito pela Sociedade Civil que colocou Paranavaí como candidata a ser polo de indústrias farmacêuticas. Ele anunciou que “ainda este ano” deverá enviar a Paranavaí um grupo de técnicos para avaliar as condições da cidade para receber laboratórios interessados em se instalar no Paraná. “Não podemos nos posicionar antes desta avaliação”, disse ele.

Diretor de Relações Comerciais do Tecpar, Lindolfo Luiz Silva Júnior disse que a aproximação entre o Instituto e a região poderá render bons frutos. “Assim como temos o Vale do Silício nos Estados Unidos e está começando o Vale do Pinhão em Curitiba, que são polos de tecnologia e inovação, por que não podemos sonhar com o Vale Tecnológico do Arenito, com a implantação de um Distrito de Inovação em áreas de interesse da região?”, questionou ele.

APRESENTAÇÕES – O produtor rural Demerval Silvestre, um dos coordenadores da Socipar apresentou às autoridades do Tecpar o movimento, que reúne mais de 120 instituições e lideranças. “A nossa preocupação é promover o desenvolvimento econômico e conquistar benefícios à cidade”, disse ele.

Também coordenador da Socipar, o agroindustrial Ivo Pierin Júnior falou de alguns trabalhos realizados no passado em parceria com o Tecpar, a pedido do setor mandioqueiro. Para os representantes do Tecpar e da sociedade Civil, esta parceria tem que ser reafirmada. “Não podemos abrir mão de tecnologias”, reforçou Pierin.

Atualmente, o Centro Tecnológico da Mandioca dispõe de um laboratório, que está instalado no campus de Paranavaí do IFPR, para desenvolvimento de pesquisas. Este laboratório funciona com equipamento cedidos pelo Tecpar. O reitor da IFPR, Odacir Antonio Zanatta, participou da audiência.

SELO – No encontro, três empresas de Paranavaí manifestaram interesse em ter a certificação do Selo Tecpar: a Podium Alimentos, representada por Pierin; Sucos Prat’s, representada por Euler Martins; e a Oyshi – Salgados Congelados, que apresentou a empresa através de vídeo. Segundo informações do Tecpar, algumas experiências mostram que produtos que recebem a certificação do Tecpar têm seu valor ampliado.

Rogério Oliveira, da Agência de Inovação do Instituto, apresentou algumas áreas em que o Tecpar poderia ser parceiro; e Arthur de Souza, gerente da Diretoria de Relações Comerciais, mostrou como funciona a certificação, que pode ser de uma ideia, um protótipo ou um produto.

Jorge Callado quer firmar o termo de cooperação técnica e definir um plano de trabalho, estabelecer pautas e definir prioridades. “Se não os trabalhos não evoluem, não avançam. Vamos estabelecer uma parceria que atenda as demandas da região”, disse o presidente do Tecpar.

Este termo de cooperação poderá ser o embrião de uma fundação municipal de tecnologia, a exemplo do que fez o município de Cascavel. A fundação contribuiria e estimularia o desenvolvimento e facilitaria a captação de recursos para investimento em pesquisa e inovação.

 

 

Fonte: Jorge Roberto Pereira da Silva

 

Leave a Reply