Imagem Reprodução

Diferença entre fiador, seguro-fiança e depósito caução

Da Redação:

Se você está pensando em alugar apartamento ou uma casa, já deve ter reparado que as imobiliárias exigem algumas garantias de aluguel. Dentre elas, estão o bom e velho fiador, o seguro-fiança e o depósito-caução.

 

Não faz ideia das diferenças de cada uma, dos seus riscos e das suas vantagens? Não tem problema! Reunimos algumas informações importantes para você escolher bem a forma e as condições do seu aluguel.

Fiador, a modalidade mais antiga

Antigamente, quem estava interessado em alugar um imóvel só podia contar com um fiador como garantia, então, com certeza, você já ouviu falar dessa modalidade. Mas sabe o que significa?

 

O fiador é a pessoa, física ou jurídica, que se dispõe a pagar o aluguel caso o inquilino tenha algum problema e não consiga pagar a prestação.

 

É muito frequente as imobiliárias pedirem pelo menos dois fiadores que devem comprovar renda, isto é, devem mostrar que têm condições de arcar com o aluguel.

Quem pode ser o fiador

Como já dito, o fiador não precisa ser pessoa física, é também possível ser pessoa jurídica. São empresas de pequeno, médio e grande porte.

 

Também não é necessário ser parente do inquilino, embora essa prática seja muito comum justamente entre pessoas com algum parentesco.

 

É necessário ter uma renda líquida de pelo menos 3 vezes o valor do aluguel. Também é exigido que um dos fiadores tenha um bem imóvel quitado, de preferência na cidade ou estado em que o imóvel será alugado.

Vantagens e desvantagens do fiador

A grande vantagem do fiador é não gerar nenhum gasto extra ao inquilino, isto é, não é necessário fazer nenhum depósito adiantado de aluguéis, tampouco pagar prestações de seguro.

 

No entanto, há algumas desvantagens. Em caso de algum problema no apartamento, por exemplo, o inquilino não pode contar com nenhum serviço especializado e, provavelmente, vai ter que negociar com o proprietário como resolver, quem vai pagar, etc.

Depósito caução

Outra garantia de aluguel que ficou bastante popular no Brasil é o depósito caução. Diferentemente do fiador, nesta modalidade, o inquilino precisa arcar com algumas despesas.

 

Embora não tenha que passar pela burocracia de aprovar um fiador, é necessário depositar antecipadamente alguns aluguéis.

 

É muito comum as imobiliárias exigirem o pagamento de pelo menos três parcelas da locação. Esse dinheiro fica depositado em uma conta poupança, cujos titulares são o proprietário do imóvel e o próprio inquilino, e só pode ser movimentada com aviso prévio.

 

Se quem está alugando, eventualmente, tiver algum problema e não conseguir honrar com o aluguel, esse dinheiro será imediatamente usado para cobrir o valor devido.

Vantagens e desvantagens do depósito caução

A grande desvantagem dessa modalidade é ter que juntar o dinheiro e pagar várias parcelas do aluguel antecipadamente. Obviamente, nem todo mundo consegue reunir tanto dinheiro em tão pouco tempo, por isso é uma garantia mais difícil de ser adotada.

 

Mas a vantagem desse tipo de prática é que é possível resgatar o valor dos depósitos ao fim do contrato, inclusive com os rendimentos da poupança.

Seguro-fiança

Outra modalidade de garantia de aluguel é o seguro-fiança, que tem se popularizado entre nós brasileiros. Neste caso, o inquilino contrata uma seguradora, uma empresa especializada ou mesmo um banco, que, dentre outras funções, fica responsável por quitar o aluguel no caso do inquilino ter algum problema financeiro.

 

Mas, para que isso aconteça, o inquilino deve pagar uma apólice que fica em torno de um aluguel e meio. Geralmente, esse valor pode ser pago à vista ou em parcelas ao longo do ano.

Vantagens e desvantagens do seguro-fiança

Há duas grandes vantagens desse tipo de garantia. Uma delas é que a burocracia é bem menor se comparada às outras modalidades, já que para a aprovação são necessários, por exemplo, menos documentos.

 

Outro benefício é que as seguradoras têm que oferecer alguns serviços gratuitos para o inquilino. De forma geral, os contratos mais simples oferecem reparos igualmente mais triviais, como problemas em fechaduras, troca ou conserto de chuveiros, etc.

 

A desvantagem é que esse dinheiro não volta para o inquilino, ou seja, é um dinheiro “perdido”, porque nem sempre quem aluga vai precisar dos serviços de reparo oferecidos. 

 

Agora que você conhece um pouco mais sobre cada modalidade de garantia, é hora de estudar bem cada uma delas para escolher a forma mais adequada para você.

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Itens necessarios estão marcados *

*