Imagem da Internet

Os riscos do bullying na infância e adolescência

Atualmente, o Bullying é reconhecido como um problema crônico nas escolas, e com consequências sérias, tanto para vítimas, quanto para agressores. Até pouco tempo, o que hoje reconhecemos como Bullying, era visto como fatos isolados, “briguinhas de criança”, e normalmente família e escola não tomavam sequer alguma atitude.
O bullying vem aumentando nas últimas décadas, conforme o Ministério da Saúde e IBGE, o índice da prática aumentou de 5% para 7%. A prática é maior entre meninos do que entre as meninas. Mas, isso também começa a mudar.
De acordo com a coach familiar Valéria Ribeiro, “crianças e jovens que praticam o bullying (“valentões”) estão em busca de popularidade, de sentir-se mais poderosos (para encobrir a própria insegurança), de obter uma boa imagem de si mesmo, afinal, não possuem controle emocional ou mesmo disciplina/supervisão. 
Também praticam o ato por conviverem em um ambiente marcado pela punição física, pelo autoritarismo dos pais ou pelo uso familiar de comportamentos agressivos ou explosivos”, explica. 
A criança agressora, geralmente, se torna o espelho do ambiente em que vive.
“Já as crianças que sofrem o bullying, são crianças com dificuldade de interação social, consideradas diferentes ou com baixa autoestima. Os motivos que levam a prática são aparência do corpo, aparência do rosto, desempenho acima da média, raça/cor, orientação sexual, religião ou região de origem”, exalta a especialista. 
Valéria conta que crianças e adolescentes que sofrem bullying têm 3 (três) vezes mais possibilidade de pensar em suicídio, além de sofrerem de distúrbios de saúde e emocionais na fase adulta, tais como: instabilidade nas relações sociais, ansiedade, propensão ao vício do álcool e drogas.
Tanto vítimas, quanto agressores podem sofrer consequências psicológicas desta situação de abuso, porém o que normalmente acontece, é que todas as atenções dos responsáveis (pais e professores) se voltem para o agressor, visto como um problema em potencial, enquanto a vítima é esquecida.
A especialista ressalta que os pais precisam estar atentos para alguns sinais que podem indicar que os filhos estão sofrendo bullying: isolamento, exclusão social, ataques de fúria e impulsividade, sentimento de incapacidade, agitação e agressividade atípica, medo ou pânico de ir para escola, diminuição nas notas escolares, choro aparentemente sem motivo, aparecimento de feridas pelo corpo que a criança diz que não sabe como surgiram, chegar em casa com roupa rasgada ou suja, sumiço de pertences e dores de cabeça e barriga várias vezes ao dia. Crianças que sofrem bullying têm pelo menos 3 desses sinais.
Aos primeiros sinais que o filho possa estar exposto ao problema, os pais devem conversar com seus filhos sobre o assunto e informar imediatamente a escola e os professores.
“O responsável deve orientar o filho a não reagir, não revidar, buscar evitar o perigo, levar na esportiva, desenvolver a autoconfiança (neste caso pode ser necessário um psicólogo para ajudar) e contar o que acontece para um adulto”, finaliza Valéria. (Fonte: Toda Comunicação)

Fonte: Diário do Noroeste

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Itens necessarios estão marcados *

*