Foto: Fabiano Vaz Fracarolli/ Diário do Noroeste

Chuva volta a prejudicar passagem de motoristas por desvios da PR-218

Na tarde de ontem, quem saiu de Paranavaí em direção ao Distrito de Graciosa ou teve de fazer o caminho inverso precisou de paciência. Com a PR-218 interditada por causa da erosão, muitos motoristas optaram pelas rotas alternativas e encontraram dificuldades para seguir viagem.

Algumas pessoas que passaram pela estrada próxima à PR-218 esperaram por mais de 40 minutos para continuar o trajeto. É que os buracos ao longo do caminho formaram poças de lama, exigindo mais atenção e cuidado dos motoristas.

Um ônibus que passava pelo local ficou atolado. O letreiro eletrônico exibia a mensagem “Confie em Deus”, e, nesse caso, os passageiros tiveram mesmo de recorrer à fé, porque somente depois de dez minutos o motorista conseguiu prosseguir. Outras pessoas não tiveram tanta paciência. Desceram dos ônibus e decidiram continuar o percurso a pé.

Na edição de ontem, matéria publicada no Diário do Noroeste (Motoristas têm dificuldade para trafegar por desvio da PR-218) já chamava a atenção para o problema. Em alguns trechos a passagem de dois carros ao mesmo tempo era inviável, por isso, quem saía de Paranavaí foi obrigado a esperar até que os motoristas que entravam na cidade passassem. Somente quando o fluxo diminuiu, conseguiram deixar o limite urbano.

Uma moradora daquela região disse que a tarde de ontem não foi a única ocasião em que os motoristas encontraram dificuldades para seguir viagem. “Direto tem problemas, mas agora que o fluxo é maior piorou”, disse. “É uma vergonha ver isso”, concluiu.

Não muito longe dali, outro desvio se encontrava em situação semelhante: a estrada próxima ao Aeroporto Municipal Edu Chaves também estava tomada pelo barro. Para se ter uma ideia da situação, um caminhão ficou atolado e só conseguiu ser retirado da lama com a ajuda de um trator.

Na conversa com a equipe do Diário do Noroeste para a matéria publicada ontem, o secretário municipal de Infraestrutura, Eurípedes Lemes Silva, afirmou que a situação se repete sempre que chove. Disse que é preciso fazer manutenção constante, mas que a chuva dificulta a execução dos serviços.
Sendo assim, Silva reiterou que os motoristas que preferirem evitar as estradas de terra têm outro caminho a ser seguido, podendo viajar pela BR-376. O caminho é mais longo, mas pavimentado.

Fonte: Diário do Noroeste

01

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Itens necessarios estão marcados *

*